20 abril 2012

Comentário da Lição da Escola Sabatina – Lição 03 – 2º Trimestre 2012


Comentário da Lição da Escola Sabatina – Lição 03 – 2º Trimestre 2012
(14 a 21 de abril)

Comentário: Gilberto G. Theiss

SÁBADO, 14 DE ABRIL
Dons espirituais para evangelizar e testemunhar

            “E ele designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres, com o fim de preparar os santos para a obra do ministério, para que o corpo de Cristo seja edificado” (Ef 4:11, 12, NVI)

            Pensamento Chave: Dons espirituais é a verdadeira forma de levar a igreja à um reavivamento missionário.


            Todos nós somos dotados por Deus de talentos inestimáveis para o exercício de nossas atividades do dia a dia. No entanto, embora seja um pouco confusa a ideia de dons e talentos, Deus também nos concede dons específicos para exercê-los em sua igreja e na comunidade. Os dons é a maneira de Deus nos capacitar a conseguir por em prática nossas habilidades com o objetivo de alcançar as pessoas com a mensagem de redenção. Sem estes dons estaríamos em desvantagem perante o exército do mal e dificilmente conseguiríamos desempenhar um bom ministério espiritual. Com os dons, se forem alimentados, fortalecidos e treinados, seria como turbinar um veículo para alcançar maior velocidade e fazer grandes proezas. Através dos dons, Deus pretende nos habilitar a sermos uteis em Suas mãos que de outra forma seria talvez impossível. A igreja é formada por um corpo de pessoas com talentos e dons variáveis. Todos nós fomos criados para sermos diversificados, diferentes e repletos de características individuais. Os dons concedidos nos torna versáteis na ação coletiva e ao mesmo tempo individual. A igreja se torna poderosa e consegue abranger a todos. Se soubermos utilizar os dons na igreja, ninguém se sentirá forçado a fazer algo que sente não estar habilitado.
           
DOMINGO, 15 de ABRIL
Cristãos habilitados
(1 Pe 4:10)

            Infelizmente os dons na igreja não têm sido aproveitados de maneira inteligente. Muitos líderes apreciam fazer um belo apelo para que as pessoas da igreja como um todo apareçam em um determinado horário da tarde de sábado para fazerem pesquisa bíblica. Quando alguém não aparece, acabam sendo taxados de preguiçosos ou de descomprometidos. Isto não deveria ser assim embora aconteça com muita frequência. Muitos sofrem na igreja por não saberem qual seria de fato seus dons e às vezes são castigados por comentários desinteligentes feitos por supostos líderes. Não é correto forçar a igreja executar uma única atividade evangelística. Os membros possuem dons muito diversificados e são poucos os que levam isto a sério. A igreja poderia ser mais dinâmica se a variedade de dons fosse aproveitada de forma sábia. As pessoas se envolveriam  com mais intensidade se fossem direcionadas a exercerem seu ministério nos limites de seus dons. Há diretores ou anciãos da igreja que acreditam que todos deveriam dar estudos bíblicos. Outros acreditam que todos deveriam ser evangelistas. Outros ainda acreditam que todos deveriam ser colportores. Este tipo de pensamento é um erro profundamente grotesco e que, infelizmente, é praticado e defendido com unhas e dentes. Por esta razão é que há pessoas que preferem não fazer absolutamente nada, pois, são forçadas a entender que se elas não fizerem exatamente desta forma, então acabam sendo inúteis. Os líderes atuais precisam acordar para perceberem que estão matando a igreja com este tipo de paradigma, pois muitos cristãos estão se sentindo inúteis e de pouca fé por não conseguirem fazer o que eles querem que seja feito. Acredito que, precisamos trabalhar intensamente para apreçar a volta de Jesus, mas cada um pregando conforme seus dons. A igreja estará mais habilitada a ser útil para o propósito da pregação do evangelho no dia em que, houver também um reavivamento neste sentido. Assim todos trabalharão mais felizes e satisfeitos. Pense nisso...
           

SEGUNDA, 16 DE ABRIL
O Espírito e Seus dons
 (At 13:1-3; Jo 16:8, 13; At 13:4; Rm 8:11; At 1:8)

             A palavra de Deus nos oriente que o Espírito Santo “concedeu uns para Apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres” (Ef 4:11). No entanto, Paulo nos forneceu apenas uma sinopse dos dons espirituais, pois, na verdade os dons extrapolam a lista acima. É um crime um departamental ou diretor na igreja afirmar que o seu departamento deveria ser exercido por todos. É um crime alguém afirmar que todos deveriam ser instrutores bíblicos, ou que todos deveriam fazer pesquisa bíblica. Claro que cada diretor ou departamental está tentando defender a sua própria área de atuação, mas, como estamos aprendendo neste trimestre, a igreja é composta por uma variação muito grande de dons, e isto significa que o Espírito Santo determinou que fosse assim. Não depende de o ancião ou o pastor definir o que a igreja como um todo deverá fazer, mas depende dos dons individuais concedidos pelo Espírito de Deus. Como líderes, é nossa tarefa organizar a igreja de maneira em que todos consigam exercer seus dons. Caso não consigamos alcançar tal objetivo, os membros se sentirão perdidos e inúteis para a obra do Senhor. Lembro-me do caso de um jovem que não possuía muitas habilidades, no entanto, ele apreciava muito escrever. Sugeri que utilizasse este talento para o avanço do evangelho. Foi exatamente o que fez, começou a escrever cartas utilizando o endereço das pessoas contidas na lista telefônica e foi um sucesso seu trabalho. Enfim, todos nós recebemos de Deus dons funcionais. Cabe a cada indivíduo procurar saber qual seria o seu verdadeiro don antes que alguém empurre à força uma função que não se case bem com suas habilidades concedidas por Deus. Claro que, pelas necessidades e por amor à obra de Deus, acabamos aceitando determinadas funções justamente por falta de alguém que o faça, e pode ter certeza que, um dia Deus retribuirá seu esforço.

TERÇA, 17 DE ABRIL
Descobrindo nossos dons
(1Co 12:28-31)

            Existem duas maneiras muito eficaz para uma pessoa descobrir seus dons. A primeira tem haver com o que as pessoas dizem a seu respeito em termos de eficiência ou aptidão para desenvolver certas atividades para a igreja e para a obra de Deus. É sábio observar atentamente para o que as pessoas dizem a seu respeito, pois os outros conseguem ver o que nós não seríamos capazes ao fazer uma análise pessoal. O melhor formulário para identificar os dons é o que perguntamos às pessoas que nos conhecem bem. Elas podem fazer um levantamento mais próximo de nossa realidade em termos de habilidades e dons existentes em nós. No entanto, é interessante colher essas informações de um número expressivo de pessoas e que nos conheçam bem. Claro que isto não dispensa as técnicas desenvolvidas para nos ajudar a descobrir os dons. Outra forma de descobrir nossos dons tem haver com nossas próprias percepções. Uma regra muito simples que sempre apresento nos encontros missionários e que tem oferecido bons resultados é a seguinte: Seus dons estão diretamente relacionados a três situações:

  • 1º - Seus dons estão relacionados ao que geralmente mais gostamos de fazer. Deus não nos concede dons que não sejam prazerosos em realizar. Reflita em todo tipo de atividade secular ou religiosa que  lhe dá mais satisfação. Por exemplo: Contei na lição anterior de um jovem que gostava muito de escrever, então, ele fez com que este tipo de atividade prazerosa se tornasse sua atividade missionária. Ele realiza seu trabalho evangelístico através de cartas que envia a interessados, estudantes da Bíblia, endereços da lista telefônica, etc. Há pessoas que se sentem realizadas pregando em um púlpito, outros em praça pública, outros sentem prazer em dar estudos bíblicos, e pode acreditar, já encontrei pessoas que amavam fazer pesquisas bíblicas. Enfim, são muitos os dons existentes e eles devem estar diretamente ligados ao prazer de ser realizado. Lembre-se que, se você se sente mal todas as vezes que faz pesquisa bíblica, provavelmente este não deve ser um de seus dons, pois Deus não nos concede dons que não sejam prazerosos em realizar.
  • 2º - Além de ser algo prazeroso em realizar, seus dons devem estar ligados à facilidade em desenvolvê-lo. Deus não concede dons que ao mesmo tempo não seja hábil de ser realizado. Um bom exemplo desta realidade é um jovem que conheci e que tinha uma forte facilidade para aprender e desenvolver línguas estrangeiras. Ele nunca havia feito nenhum curso na área, e mesmo assim ele conhecia bem o inglês, espanhol e o alemão. Embora não tenha feito nenhum curso sério, como era algo que lhe dava prazer, pegava as apostilas e dicas existentes pela internet e desta forma, com facilidade, acabou se desenvolvendo bem. Portanto, os dons geralmente, por algum motivo especial, acabam encontrando fácil acesso em nossas vidas para serem desenvolvidos.
  • 3º - Além de prazeroso e fácil de serem desenvolvidos é necessário que esta habilidade esteja conectada com a vontade de Deus. Não adianta ter habilidades para realizar certas atividades que não sejam aprovadas por Deus. Um indivíduo que, com prazer, tenha habilidades em trabalhar com uma arma de fogo jamais encontrará espaço na obra de Deus para realizar tal atividade. Ele pode ter este tipo de talento, mas, isto jamais será um dos dons concedidos pelo Espírito Santo. O mesmo poderíamos dizer àqueles que apreciam e possuem facilidade para roubar ou outra coisa qualquer que não tenha a aprovação divina. Nossos talentos, habilidades ou dons precisam ser prazerosos de se realizar, facilidade de desenvolver, mas, ao mesmo tempo precisam receber a aprovação de Deus para ter o seu espaço na obra missionária. Estas três regrinhas precisam se encaixar perfeitamente em seus testes. Desta forma será mais fácil de identificar os seus dons. O mais importante é que, unidos na diversidade de dons, e habilitados pelo Espírito Santo sejamos poderosos na proclamação e manutenção do evangelho de Cristo.

           
QUARTA, 18 DE ABRIL
Outros dons
(At 6:1-4, 40-47)

            Há funções na igreja que parecem não possuir características evangelísticas. Todas as funções na igreja estão direta ou indiretamente linkadas com as obras missionárias ou evangelísticas da igreja. A diferença é que, algumas funções somente funcionam nos bastidores. Pergunte a um diretor de teatro se as peças e dramatizações funcionariam perfeitamente sem alguém para levantar as cortinas ou mudar o cenário repentinamente na mesma peça. Embora essas pessoas não sejam vistas, sua função é tão fundamental que sem ela não haveria as partes nobres e inteligentes do espetáculo. O mais interessante nisto é que, no âmbito missionário, Deus prepara os dons de maneira brilhante e totalmente funcional, pois os que possuem os dons para exercerem funções nos bastidores geralmente são pessoas que não apreciam estar na frente. Eles gostam de exercer suas funções, mas sem serem muito vistos ou notados. Já conheci diversas pessoas assim que sentiam enorme prazer em serem úteis na obra ou na igreja, mas na condição de não serem popularizados, e muito menos de assumir responsabilidades que exijam que eles estejam à frente.
            A igreja é repleta de dons e se os líderes souberem fazer uso deles, com certeza teremos uma igreja mais poderosa, envolvente e funcional. Infelizmente, parece que muita gente ainda não entendeu tal dimensão da utilidade dos dons e acabam assassinando muitos membros por forçarem eles a exercerem atividades que estão muito distantes dos dons concedidos por Deus. Este tipo de atitude, por parte dos líderes, acabam arruinando o desenvolvimento dos dons na igreja.

QUINTA E SEXTA 19 e 20 DE ABRIL
Dons e responsabilidade cristã
(Rm 12:4; 1Co 12:12; Ef 4:16; Mt 10:19, 20; At 13:4-5; 16:6-7)

            Infelizmente há pessoas que estão tentando tomar o lugar do Espírito Santo na igreja. Líderes que tentam forçar os membros a exercerem as atividades que acvreditam que seria melhor, estão tomando as rédeas da liderança do Espírito Santo em suas mãos. Outros criam projetos evangelísticos que, após sucessivas tentativas de outros projetos diferentes, acabam chegando ao fracasso. Há centenas de projetos evangelísticos que não estão funcionando e há os que ainda acreditam que o problema é a formulação de um novo projeto mais ousado. O que mais precisa acontecer para que abramos os olhos para entender que estamos tirando a administração da obra das mãos de Deus para nossas mãos? O que precisa acontecer para que compreendamos que, na verdade, precisa acontecer um verdadeiro reavivamento e reforma em nosso meio? O que mais precisa acontecer para que caíamos na realidade de que a responsabilidade da direção e dos resultados da pregação precisam permanecer nas mãos de Deus? O que precisamos não é de novos projetos evangelísticos, mas de conversão genuína. Os dons fazem parte deste pacote de reavivamento que precisa acontecer em nossas vidas. A igreja precisa atuar poderosamente sobre o alicerce de corações transformados e dispostos a serem perfeitamente guiados pelo Espírito de Deus. Os membros não devem ser usados para a pregação, mas estimulados a permitir que seus dons sejam as ferramentas do Espírito Santo na pregação da palavra. Os resultados do reavivamento e da liberdade do uso dos dons é fundamental para que cada membro seja funcional nas mãos de Deus e para que traga melhores resultados. No entanto, isto não será uma realidade enquanto houver dezenas de projetos evangelísticos criados, muitas vezes, para engrandecer e promover seres humanos com seus números fictícios.

Gilberto G. Theiss, nascido no estado do Paraná, é membro da Igreja adventista do Sétimo dia desde 1996. Crê integralmente nas 28 doutrinas Adventista como constam no livro “Nisto Cremos” lançado pela “Casa Publicadora Brasileira”. Foi ancião por 3 anos na Igreja Adventista do Sétimo dia da cidade Nova Rezende/MG e por 6 anos na Igreja Central de Guaxupé/MG. Foi Obreiro bíblico na mesma cidade e hoje, além de ser coordenador do curso básico de reforço teológico para líderes de igreja pelo site www.altoclamor.com, está Bacharelando no Seminário Adventista Latino-Americano de Teologia e cursou extensão em arqueologia do oriente próximo pela UEPB. Gilberto G. Theiss é autor de alguns livros e é inteiramente submisso e fiel tanto a mensagem bíblico-adventista quanto a seus superiores no movimento Adventista como pede hebreus 13:17. Toda a mensagem falada ou escrita por este autor é filtrada plenamente pelo que rege a doutrina bíblica-adventista do sétimo dia. Contato: gilbertotheiss@yahoo.com.br

Livros Escritos:
·         Acendendo a luz da verdade
·         Música e o Grande Conflito
·         Profecias que abalarão a Igreja e o Mundo
·         Encruzilhada – Princípios para uma vida melhor e abundante
·         Despertar de um Mandamento
·         Comentário Homilético do Livro de Romanos
·         Comentário Homilético do Livro de Gálatas
·         A História Revelada e a Verdade Confirmada – História da igreja
·         Cronologia do Salmo 150 e os Conflitos sobre Tambores e Danças
·         Adoração em Conflito
·         Editor e Coordenador da Meditação Matinal Permanente “Reavivamento e Reforma”