Um recado aos eleitores da esquerda contemporânea

Um recado do fundo do coração para os cristãos marxistas ou simpatizantes de linha comunista e esquerdista (no sentido ideológico). É com amor. Curioso que quando conhecemos a verdade e tomamos uma decisão ao lado de Cristo, iniciamos uma série de mudanças na vida. Quem era filiado a boates, por amor a Cristo as abandona. Quem era filiado a botecos, por amor a Cristo os abandona. Quem era filiado a uma vida promíscua, por amor a Cristo a abandona, etc. Portanto, por sermos cristãos, devido a valores cristãos, nos desvinculamos de muitas coisas justamente devido a incompatibilidade desses dois mundos. Por amor a Deus e pela responsabilidade de levantar a bandeira da verdade perante o mundo, contrapondo a mentira, as ideologias malignas e ao mal que impera, é que deixamos para trás tudo o que se contrapõe a verdade para viver em novidade de vida.

O que é ser livre em Cristo?

O que os presidenciáveis pensam sobre “agenda LGBT”

Não é do meu interesse publicar neste blog algo que se relacione com a política. Porém, como pastor e cristão não posso me isentar de tudo, uma vez que a política atual ganhou grande proporção de viés ideológico anti-cristianismo, em especial, contra a família cristã e a pureza infantil. Abaixo estou republicando uma matéria do portal Gospel Prime que tem por objetivo fazer-nos conhecer melhor o que alguns candidatos pensam a respeito da agenda LGBT. A matéria é informativa com informações que precisam ser mais amplamente analisadas. Espero que seja de grande auxílio para melhor discernir quais candidatos estão mais distantes dos valores cristãos. Esta será a única postagem a este respeito.

Igreja Adventista vota documento sobre pena de morte

Material preparado por teólogos sobre pena de morte é baseado na Bíblia e foi apreciado por delegados no Concílio Anual da Igreja Adventista. A pena de morte é um tema permanentemente em discussão no mundo inteiro. Dados da Anistia Internacional mostram que, em 2016, houve 1.032 execuções em 23 países relacionadas a condenações com pena de morte. Mas a lista de países que possui leis autorizando a pena de morte chega a 58. A maioria das execuções ocorreu em países como China, Irã, Arábia Saudita, Iraque e Paquistão. No Brasil, a pena de morte é proibida, exceto para crimes militares cometidos em tempos de guerra, segundo previsto na Constituição Federal de 1988. Bolívia, Chile e Peru também mantêm pena de morte em circunstâncias excepcionais.

Papa Francisco utiliza os dez mandamentos para defender o domingo

“Na sua catequese na Audiência Geral desta quarta-feira [5 de setembro de 2018], o Papa Francisco falou sobre “o dia do repouso” para os cristãos: “Tanta gente, tanta, que tem a possibilidade de divertir-se, e não vivem em paz com a vida. Domingo é dia de fazer as pazes com a vida, dizendo, a vida é preciosa! Não é fácil, às vezes é doloroso, mas é preciosa”. O verdadeiro sentido do repouso. Dando continuidade a sua série de catequeses sobre o Decálogo, o Papa falou nesta quarta-feira aos mais de 13 mil fiéis presentes na Praça São Pedro sobre o repouso como “momento de contemplação e louvor”, “é a bênção da realidade”. Francisco recordou ainda a necessidade de nos reconciliarmos com nossa própria história, pois a verdadeira paz, não é mudá-la, mas dar as boas-vindas e valorizá-la.

O Cristão e a política: Deveres e cuidados


Que o homem é responsável em promover a ordem social, cidadania e agir com seriedade diante da política e das autoridades é claramente ensinado na Escritura. A responsabilidade se estende a todas as áreas da vida, inclusive no que diz respeito às práticas que ajudam a construir os alicerces que definem os direitos e deveres do cidadão. A resposta de Caim: “Acaso sou eu tutor de meu irmão?” (Gn 4:9), é um claro e bem sonoro sim. A resposta de Deus à indagação de Caim é mais profunda e séria do que imaginamos. Embora haja resistência por alguns, os cristãos, segundo a Bíblia, devem exercer probidades sociais e governamentais não somente aos demais habitadores como também aos soberanos.

Uma praga chamada marxismo cultural

Samuel Fernandes Caldas nasceu em 1970 e é licenciado em História. Casado com Viviane Borges Moraes Caldas, trabalhou como metalúrgico, motociclista, professor no Colégio Constelação, na rede estadual de educação, e atualmente é professor de História da rede municipal de educação em São Paulo. Seus principais passatempos são ler e brincar com o filho caçula de três anos, junto com a esposa. Foi membro das igrejas adventistas de Itaquera, Cidade Líder, Artur Alvim, Vila Cosmopolita, e desde 1991 faz parte da Igreja Adventista de José Bonifácio, em São Paulo. Nesta entrevista, concedida ao jornalista Michelson Borges, ele fala sobre um assunto ao qual tem dedicado horas de estudo: o marxismo cultural.

Arqueólogos escavam a antiga Siló: “A Bíblia não é mitologia”

"Estamos lidando com pessoas reais, lugares reais, eventos reais", afirma doutor, mostrando os achados.Geograficamente no coração do Israel bíblico, Siló – que hoje é um sítio arqueológico – foi a capital do país durante cerca de 300 anos. O motivo de sua importância para a história do país é que este é o lugar onde Josué distribuiu a Terra Prometida para as 12 tribos de Israel. E onde o Tabernáculo permaneceu, fazendo com seja considerada “solo sagrado”. O Dr. Scott Stripling, arqueólogo que lidera as escavações arqueológicas em Siló, explica que: “Esta foi a primeira capital do antigo Israel. É um local sagrado porque o Mishkan [Tabernáculo] estava aqui, para onde as pessoas vinham esperando se conectar com Deus”.

Livro: Na presença do Eterno

Presença do Eterno
A carne é parte da dieta comum ao redor do mundo hoje, mas um número crescente de pessoas afirma que este item deveria ser removido. Entretanto, de acordo com regras sacrificais, a Bíblia apresenta um número muito grande de sacrifícios animais, que aparentemente eram comidos pelo doador A Bíblia também nos apresenta vários exemplos nos quais a carne foi usada como comida, dando a impressão de que ela fazia parte da dieta hebraica comum. Usando um método Bíblico-Teológico, através de uma leitura diacrônica dos textos bíblicos, manuscritos do Mar Morto e Literatura Talmúdica, este trabalho argumenta que a carne não era parte da dieta judaica normal, sendo reservada para ocasiões especiais e que nem todos os sacrifícios eram comidos pelo ofertante. Argumenta também que alguns personagens bíblicos, como Daniel e João, eram essencialmente vegetarianos, ainda que não fossem abstêmios.