19 dezembro 2016

Hábitos revolucionários


Uma revolução humanizada está em curso, atingindo nossos hábitos mais comuns, hábitos intimamente relacionados com nossa vida
Cartões de crédito, robôs, satélites, GPS, computador pessoal, telefone celular, caixa eletrônico, smartphones. Apesar do fascínio que tudo isso exerce sobre a humanidade, os frutos da revolução tecnológica que teve seu início em 1940 no pós-guerra e explodiu em meados da década de 1970 não são capazes de satisfazer nossas reais necessidades. Estamos descobrindo que a tecnologia não pode tudo e que é melhor comer uma banana do que engolir pílulas de concentrados. É melhor desconectar do que viver uma estressada rotina hiperconectada.
Barreiras, inclusive de nosso senso comum deseducado estão, uma a uma, sucumbindo diante da convincente realidade de que não adianta viver muito se não se experimenta uma qualidade de vida positiva. O natural e o essencial começam a ocupar um lugar importante em nossa existência, mais do que o dinheiro e seu poder de consumo.
Tem muita gente preocupada em dormir mais e comer alimentos sem substâncias químicas. Tem muita gente andando, correndo e exercitando-se nas cidades do Brasil e do mundo inteiro. Isso é o que se pode ver. Raymond Kurzweil, o homem que foi chamado de “Thomas Edson dos dias atuais”, inventor do sintetizador eletrônico e do escaner, é vegetariano e para não perder a forma física ele combina tênis com terno e gravata nos ambientes mais sofisticados.
O perfil do homem de valor, aquele sempre muito ocupado, morrendo de tanto trabalhar está sendo desconstruído por estudos acreditados pelas melhores universidades do mundo, mostrando que a maneira mais eficiente de trabalhar é gastar menos tempo trabalhando. E que o tempo livre deve ser desejado e aproveitado para usufruir alegria, felicidade e paz de alma ao lado das pessoas que nos amam e as quais amamos.
Isso pode ser percebido em empresas como a Google, onde os trabalhadores podem fazer uma “renovação estratégica”, parando durante a jornada de trabalho para cochilar nos famosos casulos para sonecas, os nap pods, semelhantes aos que existem no aeroporto de Abu Dahbi, capital dos Emirados Árabes Unidos. A ideia atual não é aumentar o expediente de trabalho para atender às novas demandas, mas aumentar a energia física e espiritual das pessoas, pois ela sim é renovável.
Arianna Huffington é criadora do maior êxito do jornalismo online dos Estados Unidos, o Huffington Post. A jornalista greco-americana lançou recentemente o livro Thrive: The Third Metric to Redefining Success and Creating a Life of Well-Being, Wisdom, and Wonder. A tradução livre desse enorme título é: “Prospere: a terceira medida para redefinir sucesso e criar uma vida de bem-estar, sabedoria e encantamento”. Para Arianna, a terceira medida, a da felicidade, se sustenta em quatro pilares: bem-estar, sabedoria, encantamento e benemerência. E ela avisa: se prepare para a mudança que está chegando, porque não é sustentável manter a antiga noção de sucesso reduzida a poder e dinheiro.
São Francisco, Califórnia, conhecida como o paraíso dos vegetarianos, foi invadida pela alimentação orgânica. Na cidade, assim como no Reino Unido, proliferam aos milhares, os restaurantes que servem comida saudável. A Whole Foods Market é uma rede de supermercados que tem mais de 300 lojas espalhadas nos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido. John Mackei, um dos fundadores da rede pretende mudar a maneira com que seus compatriotas e outros habitantes do mundo consomem comida, destruindo hábitos alimentares que podem estimular doenças mortais como diabetes, câncer e doenças do coração. Ele só vende comida orgânica e natural de alta qualidade, sem aditivos químicos.
O planeta, todos nós sabemos, está muito doente, mas o lema de John Mackei e seus sócios é comida saudável, pessoas saudáveis, planeta saudável. Ele é um visionário. Somos testemunhas de uma revolução de hábitos que está impactando o consumo, as grandes marcas e grandes empresas no mundo todo. Está mais fácil, e é mais aceitável hoje, do que nunca antes, alterar os hábitos mais comuns da vida e sermos, mesmo assim, pessoas normais e mais felizes.
Francisco Lemos é Jornalista (Vida e saúde)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Outras Postagens semelhantes

Related Posts with Thumbnails