ÉTICA CRISTÃ - UM DESAFIO PARA MEMBROS, LÍDERES E PASTORES


 Do ponto de vista linguístico a ética possui a sua definição, mas na prática, talvez por conta do forte relativismo, percebe-se uma certa crise da identidade que a define. O poeta Augusto Branco definiu, talvez de uma forma não muito animadora, que “a ética é uma invenção humana que depende muito do espaço geográfico que a pessoa ocupa”. Para alguns, a ética deve levar em consideração o bem-estar do coletivo e não do indivíduo, enquanto que para outros a ética deve ser a base de sobrevivência apenas do indivíduo sem levar em consideração o bem-estar do coletivo.
Esta segunda inclinação é melhor observada na luta pela sobrevivência, centrada, muitas das vezes, no comércio, capitalismo, busca por posições, promoções e alcance de metas que podem transformar os seres humanos em mercadorias, números e lucros, pois as premissas que regerão o comportamento serão, em palavras bem populares, a “esperteza” e a “malandragem”. O professor e escritor Juarez Alves, por exemplo, escreveu que “as pessoas passam a vida toda atropelando a ética em nome da sobrevivência”. Paulo Freire também condenou este tipo de ética como malvada, que se baseia meramente na satisfação do lucro e da venda. Conceitos estes que podem ser notados na esfera exata da vida ou nas humanas. Ou seja, a busca desenfreada pelo sucesso, alcance de metas, resultados ou do lucro e prazer, pode contribuir para que o indivíduo escolha um padrão de ética que satisfaça as suas ambições pessoais, mesmo às custas do infortúnio alheio.
Quando chegamos ao ponto de não nos importarmos com o bem-estar do próximo, então, formamos o nosso próprio conceito de ética que se alicerça nos interesses comodistas e individualistas. Esse tipo de ética geralmente não pode suportar a translucidez. Quando os interesses particulares por fama, sucesso, posição, lucros e prazeres estabelecem as regras da ética, com certeza não haverá estima ou conveniência para a transparência. Por quê? Simples, levando em consideração a natureza humana com os seus desvarios, o golpe, a corrupção, a trapaça, ou o famoso e bem conhecido “puxa tapete” serão as ferramentas utilizadas para alcançar as pretensões mais cobiçadas. Nas palavras do escritor francês Albert Camus, este tipo de pessoa, na verdade, pode ser mais conhecido como sem ética e com comportamento selvagem. Juahrez Alves, por sua vez, consideraria esse tipo de ética, como uma má conselheira para o progresso.
Mas a ética do ponto de vista cristã é diferente, ou pelo menos deveria ser. A ética cristã se baseia no bem-estar do coletivo em detrimento do indivíduo. Ela se parece um pouco com a descrição de Dostoiévski, quando ironizou: “eu não me ajoelhei diante de ti, mas diante de toda a dor humana”. Não que o indivíduo, com as suas prerrogativas de felicidade e êxito, não seja importante, mas o foco é do individual para o coletivo.
A ética cristã está alicerçada na felicidade, na satisfação e realização de todo o corpo e não exclusivamente em um único membro. Por ser altruísta em suas intenções, não será vista como inimiga da transparência, pois ela padroniza um estilo de vida, ou comportamento, que nos faz louváveis no oculto ou no manifesto, no coberto ou no descoberto. Ela se harmoniza também com a descrição de Immanuel Kant, que afirmou: “Tudo o que não puder contar como fez, não faça”.
A expressão tônica se alicerça na necessidade de sermos o mais próximo possível do autor da ética cristã. Como escreveu Paulo em uma carta enviada aos cristãos da Galácia, por volta do ano 50 de nossa era: “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim”. (Gl 2:20) Ele evidencia, com esta clássica declaração, que os seus interesses exclusivistas não mais ocupariam o pódio. A partir deste encontro com o Autor do cristianismo, sua vida passaria a revelar os princípios do Cristo ressuscitado - o de amar a Deus e ao próximo mais do que a si mesmo. João, o servo chamado de discípulo do amor, mas anteriormente conhecido como o filho do trovão, talvez porque possuía um gênio difícil, também escreveu próximo do final do primeiro século que “aquele que diz que está em Cristo, também deve andar como Ele andou”. (1 Jo 2:6).
Portanto, do lado divino, vemos o próprio Jesus como emanação da ética que Ele mesmo estabeleceu em Seus conhecidos Dez mandamentos e repetidamente sintetizados em "amar a Deus e ao próximo". Do lado humano, dentre muitos exemplos passados ou contemporâneos, podemos citar o exemplo da pessoa de Madre Teresa de Calcutá, que, segundo muitos relatos, não viveu para si, mas para todos.
Por fim, a ética cristã, na esfera do interesse mútuo, possui os alicerces do amor como já apresentados por Paulo em 1 Coríntios 13.
Se todas as atitudes forem moldadas pelo amor ao próximo como a si mesmo, independente de ser amigo ou inimigo, então não haverá espaço para atitudes egoístas, mesquinhas, ciúmes, competições, lucros abusivos e tapetes puxados. Não haverá ambiente para o infortúnio alheio e muito menos a busca por satisfações ou realizações em que alguém tenha que se ferir, ser rebaixado, desmerecido, depreciado, desvalorizado ou prejudicado.
A ética cristã é aquela que não impede o indivíduo de buscar os seus interesses pelo sucesso e satisfação, mas o condiciona e o motiva a ajudar outros a seguirem na mesma direção. Ela não faz alguém desejar ser melhor do que o seu próximo, mas ser melhor do que si mesmo. O meu rival não é o outro, mas o eu, o próprio eu. Para isto, devemos, além do coração, usar também a razão. A razão, embora em crise por causa do forte relativismo e subjetivismo, deve enxergar significado e propósito neste valor. Como afirmou o escritor português José Saramago “Se a ética não governar a razão, a razão desprezará a ética”.
Claro que a ética, sob o parâmetro cristão, não será jamais apreciada em um mundo tão repleto de pessoas individualistas, competidoras e ciumentas. Por este motivo é que, do ponto de vista teológico, somente a colisão com a verdade de Deus e a comoção com a Sua grandeza, bondade e amor é que tornará possível impregnar-se com o desejo de ser envolvido e permeado dessa ética tão radicalmente diferente do que vemos no comum. Somente aqueles que sustentam-se frequentemente na majestosa presença de Jesus Cristo é que conseguem se abster lentamente e processualmente dos motivos egoístas e orgulhosos desse coração pretensioso e viciado em grandeza “egolátrica”.


Gilberto Theiss - Graduado em Teologia, com Especialização em Filosofia e Ciência da Religião