06 julho 2014

Hawking e Mlodinow sem querer defendem o Criador

Hawking e Mlodinow
Há um velho ditado que diz: “Dê muita corda a alguém e ele vai se enforcar.”  A ideia é que, se alguém está errado ou mentindo, quanto mais o tempo passa, mais óbvio isso se torna presente. Bem, a Bantam Books deu a Stephen Hawking e Leonard Mlodinow toda a corda que eles queriam, e o resultado é The Grand Design (O grande projeto), um novo livro no qual eles argumentam contra a necessidade (e a existência) de Deus. Aqui está o núcleo de seu argumento: “[Assim], como Darwin e Wallace explicaram como o projeto aparentemente milagroso de formas de vida poderiam aparecer sem a intervenção de um ser supremo, o conceito do multiverso pode explicar o ajuste fino das leis físicas, sem a necessidade de um Criador benevolente que fez o Universo para o nosso beneficio. Como existe a lei da gravidade, o Universo pode e vai criar a si mesmo do nada. A criação espontânea é a razão pela qual existe algo em vez de nada, por que o Universo existe, por que nós existimos.”

Eles, então, explicam a teoria básica por trás do “multiverso”, que pressupõe a existência de múltiplos universos: “De acordo com a teoria-M, o nosso não é o único Universo. Em vez disso, a teoria-M prevê que muitos universos foram criados do nada. A sua criação não requer a intervenção de algum ser ou deus sobrenatural. Antes, esses múltiplos universos surgem naturalmente pelas leis físicas.”

Vamos deixar de lado a questão da teoria do “multiverso”, que John Haldane aborda em First Things. Hawking e Mlodinow fizeram um trabalho completamente suficiente de derrotar seu próprio argumento. Vamos simplesmente delinear suas três principais afirmações acima:

Afirmação 1: a criação espontânea é a razão pela qual existe algo em vez de nada, inclusive o Universo (“a criação espontânea é a razão pela qual existe algo em vez de nada, por que o Universo existe”). Isso se aplica a todos os universos, o que significa que se aplica a todo o multiverso.

Afirmação 2: a criação espontânea exige a lei da gravidade (“como existe a lei da gravidade, o Universo pode e vai criar a si mesmo do nada”; “Antes, esses múltiplos universos surgem naturalmente pelas leis físicas”).

Afirmação 3: a multidão de universos é responsável ​​pela produção de afinadas leis físicas (“O conceito do multiverso pode explicar o ajuste fino das leis físicas”).
Reduzido a seu núcleo, o argumento se parece com isto:

O problema, é claro, é que isso é circular. Você não pode ter um universo sem que seja criado; você não pode ter criação espontânea sem as leis físicas, e você não pode ter as leis físicas sem um universo.

Como Hawking e Mlodinow admitiram, sem criação, não há nada. Para se ter qualquer coisa – um universo, um multiverso, a lei da gravidade “bem afinados” pelas leis da física, qualquer coisa –, você tem que primeiro ter a criação. E eles mostraram de forma bastante eficaz que a criação “espontânea” é impossível, uma vez que exige as leis físicas, como a lei da gravidade. Então,  eles mesmos estabelecem que houve uma criação, e que o universo/multiverso não pode (e não podia) criar a si mesmo.

Desse ponto de vista, parece que as duas únicas possibilidades são “Deus” ou o “um absurdo e irracional argumento circular”. Hawking e Mlodinow podem ser físicos brilhantes, mas pelo menos nesse livro se apresentam como filósofos e lógicos pobres. Seus esforços fúteis para delinear uma história da criação ateísta dá mais credibilidade ao teísmo do que o ateísmo.

(Strange Notions, via Logo Apologética) via (Criacionismo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Outras Postagens semelhantes

Related Posts with Thumbnails